Des-homogeneizar os Ciganos Portugueses: perfis sociais e heterogeneidade sócio-cultural

Maria Manuela Ferreira Mendes, Olga Magano, Pedro Candeias

Resumen

Com o objetivo de esboçar um retrato nacional sobre as pessoas ciganas em Portugal foi elaborado um estudo que conciliou uma abordagem metodológica qualitativa e quantitativa (análise documental; entrevistas em profundidade; método Delphi; inquéritos por questionário a autarquias locais, a pessoas ciganas e a especialistas, tais como investigadores, mediadores e técnicos de intervenção social). Este artigo visa apresentar os principais resultados de um inquérito por questionário a pessoas ciganas e discutir as continuidades e diferenciações sociais entre os ciganos através da análise multivariada e utilização do método de Delphi, tendo sido possível definir alguns perfis sociais que nos levam a questionar o uso acrítico da categoria “Ciganos” que tem efeitos homogeneizadores e essencialistas.Ciganos; perfis sociais; diversidade social; Portugal


Palabras clave

Ciganos; perfis sociais; diversidade social; Portugal

Texto completo:

PDF (573,56 kB) Estadísticas

Referencias

ACIDI. (2013). Estratégia Nacional para a Integração dos Ciganos. Lisboa: ACIDI. Bastos, J. P. (Ed.). (2012). Portugueses ciganos e ciganofobia em Portugal. Lisboa: Edições Colibri.

Bjerkan, L., & Huitfeldt, A. (2004). Roma Minorities in the Czech and Slovak Republics: Development of a social suvey methodology. Oslo: Fafo.

BM. (2014). Roma. from http://www.worldbank.org/en/region/eca/brief/roma

Braga, Teófilo (1879).”Origem dos ciganos. O Positivismo, nº 4.

Branco, F. (2003). Os ciganos e o RMG: direitos sociais e direito à diferença. Intervenção Social(27), 119-139.

Brazzabeni, M. (2012a). De bairro em bairro: uma família cigana em Vila Real de Santo António entre discriminação burocrática e social e possíveis formas de vida. In J. G. P. Bastos (Ed.), Portugueses Ciganos e Ciganofobia em Portugal. Lisboa: Colibri.

Brazzabeni, M. (2012b). Já abalaste? Rumour and fama in the organization of lived space. Etudes Tsiganes(44-45), 190-209.

Carvalho, H. (2017). Análise Multivariada de Dados Qualitativos Utilização da Análise de Correspondências Múltiplas com o SPSS. 2ª edição revista e atualizada, Lisboa, Sílabo.

Castro, A. (2004). Ciganos e itinerância. Uma aproximação à realidade concelhia e às suas formas de hospitalidade. Cidades, Comunidades e Territórios, 9.

Castro, A. (2006). Ciganos, Territórios e Itinerância. Análise de um questionário enviado aos postos da Guarda Nacional Republicana: CET/FCT.

Castro, A. (2007). Dos Contextos Locais à lnvisibilização Política - Discussão em torno dos ciclos de exclusão habitacional dos ciganos em Portugal. Cidades, Comunidades e Territórios, 15, 63-86.

Castro, A. (2012). Na luta pelos bons lugares. Ciganos, visibilidade social e controvérsias espaciais. (Tese de doutoramento em Antropologia, especialidade Antropologia Urbana), ISCTE-IUL, Lisboa.

Coelho, F. A. [1892](1995). Os Ciganos de Portugal. Com um estudo sobre o caão. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

ERRC/NÚMENA. (2007). Os serviços sociais ao serviço da inclusão social - o caso dos ciganos. Lisboa: ERRC - European Roma Rigths Centre e NÚMENA - Centro de Investigação em Ciências Sociais e Humanas.

EU-FRA. (2009). Housing conditions of Roma and Travellers in the European Union -comparative report. Luxembourg: European Communities.

FRA. (2012). The situation of Roma in 11 EU Member States Survey results at a glance. Luxembourg: Publications Office of the European Union.

Gordon, T. J. (1996). The Delphi Method. The Millennium Project, Futures Research Methodology—V3.0.

Ivanov, A., Keller, S., & Till-Tentschert, U. (2015). Roma Poverty and Deprivation: The Need for Multidimensional Anti-Poverty Measures. OPHI working paper (96).

Lopes, D. (2006). Mercados encobertos: os ciganos de Lisboa e a venda ambulante. tnográfica, 10(2), 319-336.

Lopes, D. S. (2008). Deriva cigana: um estudo etnográfico sobre os ciganos de Lisboa. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

Magano, O. (2010). “Tracejar vidas normais” Estudo qualitativo sobre a integração social de indivíduos de origem cigana na sociedade portuguesa. (Tese de Doutoramento em Sociologia. Especialidade Relações Interculturais), Universidade Aberta.

Magano, O. (2014). Tracejar vidas ‘normais’. Estudo Qualitativo sobre a Integração dos ciganos em Portugal. Lisboa: Mundos Sociais.

Magano, O. & Mendes (2015). Factores-chave para o sucesso e continuidade dos percursos escolares dos ciganos: indivíduos, famílias e políticas públicas (PTDC/IVC-PEC/4909/2012). CEMRI/UAberta; CIES-IUL

Marinaro, I. (2017). The informal faces of the (neo-)ghetto: State confinement, formalization and multidimensional informalities in Italy’s Roma camps. International Sociology, 32(4).

Marushiakova, E., & Popov, V. (2001). Historical and Ethnographic Background. Gypsies, Roma, Sinti. In W. Guy (Ed.), Between Past and Future: the Roma of Central and Eastern Europe. Hatfield: University of Hertfordshire Press.

Mendes, M. M. (1997). Etnicidade, grupos étnicos e relações multiculturais, no âmbito de uma Sociologia das Relações Étnicas e Rácicas. (Tese de mestrado em Sociologia), Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Porto.

Mendes, M. M. (2007). Representações face à Discriminação: Ciganos e Imigrantes Russos e Ucranianos na Área Metropolitana de Lisboa. (Tese de Doutoramento em Sociologia), Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, Lisboa.

Mendes, M. M. (2012). Representations About Discrimination Practices in the Education System Built by Gypsies (Ciganos) in the Lisbon Metropolitan Area (Portugal). SAGE Open, 1-10.

Mendes, , M. M., Magano O., & Candeias P. (2014). Estudo Nacional Sobre as Comunidades Ciganas. Lisboa: ACM.

Mendes, M. M. & Magano, O. (Eds.). (2013). Ciganos Portugueses: Olhares Plurais e Novos Desafios numa Sociedade em Transição. Lisboa: Mundos Sociais.

Mendes, M. M. Magano, O. Candeias, P.. (2016). Social and Spatial Continuities and Differentiations among Portuguese Ciganos: Regional Profiles, Studia UBB Sociologia, No.61 (LXI), pp.5-36.

Messing, V. (2014). Methodological puzzles of surveying Roma/Gypsy populations. Ethnicities, 14(6).

Nicolau, L. (2010). Ciganos e Não-Ciganos em Trás-os-Montes: Investigação de um Impasse Inter-Étnico. (Doutoramento em Ciências Sociais), Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Chaves.

O’neill, B. J. (2012). Des-guetizando ciganos, comparando minorias. In A. I. Afonso (Ed.), Etnografias com Ciganos. Diferenciação e resistência cultural (pp. 189-222). Lisboa: Edições Colibri.

Pereira, I., & Magano, O. (2016). “Nobody gives employment to Gypsies”: (dis)integration of Gypsies in formal labor market. Paper presented at the Congreso Espanol de Sociología, Gijón. www.fes-sociologia.com/files/congress/12/papers/4476.pdf

REAPN/FSG. (2009). As comunidades ciganas e a saúde: um primeiro retrato social. Madrid: ed. FSG.

REHURB, I.-U. (2013). Base de dados, REHURB - realojamento e regeneração urbana, projeto PDC/CS-GEO/108610/2008.

Reis, E. (2000). Análise de clusters e as aplicações às ciências empresariais: uma visão crítica da teoria dos grupos estratégicos. In E. Reis & M. A. M. Ferreira (Eds.). Temas em Métodos Quantitativos (Vol.1, pp.205-238). Lisboa: Edições Silabo

Rocha Peixoto [1897] 1967. Os ciganos em Portugal. In R. Peixoto, Obras, Vol. 1. Póvoa de Varzim: Câmara Municipal da Póvoa de Varzim.

Ruegg, F. and Boscoboinik, A. (eds) (2009). Nouvelles identités rom en Europe centrale & orientale, Special Issue Transitions, 48 (2). Université de Genève, Institut Européen et ULB Bruxelles

Rughiniş, C. (2010). The forest behind the bar charts: bridging quantitative and qualitative research on Roma/Ţigani in contemporary Romania. Patterns of Prejudice, 44(4), 337-367.

Setti, Federica (2015). The implications of ‘naming’ on Roma and Sinti right to education and social inclusion: an ethnography of education among a Sinti family network. Intercultural Education, 26(2), 114-130.

SOS_Racismo. (2001). Ciganos: números, abordagens e realidades. Lisboa: SOS Racismo.

Sousa, C. J. (2010). Relações interculturais, dinâmicas sociais e estratégias identitárias de uma família cigana portuguesa 1827-1959. (Tese de doutoramento em Sociologia), Universidade Aberta /DCSG, Lisboa.

Theodosiou, A., & Brazzabeni, M. (Eds.). (2012). Etudes Tsiganes special issue "Emotion et lieu de vie / Emotion and place"

Thompson, S. K. (1997). Adaptive sampling in behavioral surveys. The Validity of Self-Reported Drug Use: Improving the Accuracy of Survey Estimat, es. NIDA Research Monograph, 167.

Wacquant, L. (2014). Marginality, Ethnicity and Penality in the Neoliberal City: An Analytic Cartography. Ethnic & Racial Studies, 37(10), 1687-1711.

Vasconcelos, J. l. (1958). Etnografia Portuguesa. Vol. iv. Lisboa: Imprensa Nacional.




DOI: https://doi.org/10.14198/OBETS2019.14.1.02





Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.